A tartaruga gigante Diego, de Galápagos, tem mais de 100 anos e é pai de 800 tartaruguinhas. O grande apetite sexual do animal fez com que ele contribuísse (e muito) para um grande feito: salvar sua espécie, a Chelonoidis hoodensis, da extinção.

Ameaça de extinção

Na natureza, a espécie é encontrada apenas na ilha Española, ao sul do arquipélogo de Galápagos, no oceano Pacífico, de onde ela é nativa. Há 50 anos, somente dois machos e 13 fêmeas da espécie Chelonoidis hoodensis viviam no local. Além disso, eles ocupavam locais distantes demais uns dos outros, o que não tornava possível o acasalamento.

Diego tem 80 kg, 90 cm de comprimento, 1,5 m de altura (quando estica as pernas e o pescoço) e é o dominante entre os três machos selecionados para tentar recuperar a espécie. Na ilha, a tartaruga vive com seis fêmeas, com quem teve os 800 filhotes.

Tartaruga salva sua espécie

Integrante do programa de reprodução de espécie desde 1976, quando foi levado de volta para Galápagos, Diego começou a se reproduzir e se tornou um fenômeno. Há seis anos, cientistas fizeram análises genéticas e descobriram que ele era pai de 40% dos animais que foram colocados na natureza pelo projeto. Portanto, das duas mil tartarugas nascidas como parte do projeto, 800 eram filhotes de Diego.

De acordo com o site do jornal Daily Mail, o especialista em preservação de tartarugas do Parque Nacional de Galápagos Washignton Tapia disse em entrevista à agência de notícias AFP que, apesar de bom, o número ainda não é perfeito, já que registros históricos apontam que já existiram 5 mil tartarugas na ilha e mesmo assim elas se tornaram uma espécie ameaçada de extinção.

Além da espécie de Diego, outras 14 espécies de tartarugas gigantes têm origem em Galápagos. Delas, 3 foram extintas vítimas de piratas do século de 18 que se apossaram do local, que tem um ecossistema frágil.

Habitat natural

Atualmente, Diego vive no centro de reprodução na Ilha Santa Cruz, uma das maiores de Galápagos. A virilidade de Diego é bastante comemorada, visto que não são todos os animais que conseguem se reproduzir em cativeiro.

O nome do animal é uma homenagem ao zoológico de San Diego, nos EUA, onde ele foi encontrado na década de 70 após sua espécie ter sido identificada por cientistas e uma campanha internacional para encontrar mais tartarugas deste tipo raro ser lançada.

"Não sabemos exatamente como ou quando ele chegou aos Estados Unidos. Deve ter sido retirado de Española entre 1900 e 1959 por uma expedição científica", disse o especialista em preservação de tartarugas do Parque Nacional de Galápagos Washignton Tapia à agência de notícias AFP.

Extinção

(Vimos em vix.com)